sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Luso-Galaico-Franceses



Os encontros Luso-Galaico-Franceses do Livro Infantil e Juvenil acontecem nos dias 12 e 13 de Novembro no Porto, na Biblioteca Almeida Garrett. Este ano o tema é "Para maiores de 12: Tendências da Literatura Juvenil".

Os originais do "Primeiro Gomo da Tangerina" vão estar em exposição.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Daqui vê-se melhor (2)

No último domingo, subiu ao palco do Teatro Municipal Maria Matos a peça "Daqui vê-se melhor", uma ideia da Susana Menezes, escrita pela Isabel, desenhada por mim, com música do Bernardo Devlin e coordenada e interpretada pela Susana Branco. A produção foi do próprio Maria Matos e integrada na comemoração do seu 41º aniversário.
Durante um dos ensaios filmei um bocadinho do que andávamos a fazer.
Apesar de não se ouvirem as vozes das Susanas, nem a música original da peça, e de estar muito escuro, aqui fica este mini-vídeo super acelerado, para que quem não foi tenha uma ideia do espectáculo.

Em princípio esta História do Teatro vai voltar ao palco do Maria Matos lá para Janeiro. Apareçam.
A música do video é dos Mgmt.

video

Um quintal



E os quintais.

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Um ano de inundação



Faz hoje um ano que metemos água, muita água.
Foram dias para esquecer que hoje aqui lembramos.

A história dos livros que aprenderam nadar, aqui.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

O Câmara Clara esteve no nosso quintal

Uma boa amiga teve a paciência de procurar (e de nos enviar) o link para o programa Câmara Clara onde aparecemos a semana passada a falar da Colecção Histórias Paralelas. A peça, da jornalista Filipa Leal (a quem aproveitamos para agradecer), pode ser vista aqui, a partir do minuto 2'13''.

Super POP

Novidades das boas na Bruaá.
(já merecem uma estátua pelas coisas boas e grandes que nos trazem).



A fotografia foi descaradamente raptada da Prateleira de Baixo (a propósito, vale a pena reler este post).  

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Tangerina Expresso


Uma fantástica crítica ao Primeiro Gomo da Tangerina, por António Loja Neves.
Saiu este fim-de-semana no suplemento "Atual", do Expresso e deixou-nos muito felizes.

No Público, de Domingo

Pág. crianças 16 10-2010
View more documents from mrvpimenta.
O "Livro dos Quintais", por Rita Pimenta, na página das Crianças do Público. Está ali no cantinho, mas é possível "zoomar" um pouco.

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Na prateleira



O nosso mais recente ovni está na prateleira de baixo. Já houve quem nos dissesse, sinceramente, que não conseguia perceber o livro (e nós agradecemos que nos vão dizendo o que acham). Também já nos disseram que a princípio não perceberam mas que depois começaram a gostar. De livro na mão, também nos perguntaram se nunca tínhamos pensado fazer um livro com contos mais tradicionais. Na prateleira de baixo foi lido/visto/jogado e bem recebido. E nós ficamos todos contentes.

Trocoscópio step by step: (1) miss Yara e Mr Bernardo, num dia quente de Agosto, a dar os toques finais antes de ir para a gráfica sob o olhar atento da miss Lopes, (2, 3) saída de máquina, (4, 5) à espera dos livros, (6, 7) a arrumação com a Carolina a condizer, (8) o livro.

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Inauguração da oficina serigráfica

Vamos lá dar um nome pomposo à coisa e a solenidade merecida ao acto...

A mudança para a nova casa tornou possível a concretização de um sonho antigo: uma máquina de serigrafia à disposição dos artistas da casa, à distância de um lance de escadas.
A máquina é grande e, com os adereços obrigatórios que a acompanham (a prensa e a estufa que também serve de secador), tivemos de fazer alguma ginástica para a conseguir encaixar no quarto do sótão que lhe tínhamos destinado.
Mas já está montada e teve, há uns dias, direito a cerimónia de inauguração oficial.



Para a estreia, o Bernardo fez uma variação da imagem criada para a capa de "O Livro dos Quintais".





E, voilá, o resultado final:





quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Daqui vê-se melhor

Apesar de o Planeta Tangerina não ser especialista em artes do palco, também anda em ensaios...
"Daqui vê-se melhor" é o nome do espectáculo que vai subir ao palco do Maria Matos, integrado nas comemorações do 41.º aniversário deste teatro.
O Programa Educativo convidou-nos a escrever um texto sobre a História Mundial do Teatro (imaginem a empreitada...) e a ilustrar esta história, ao vivo, em pleno palco.

Os ensaios já começaram:



A actriz Susana Branco que interpretará o texto.



De costas: Susana Menzes, responsável pelo Programa Educativo, a outra Susana e o Bernardo (que fará os desenhos ao vivo).



E o texto...
A História do Teatro é longa, longa... tão longa como a História do mundo e foi preciso cortar algumas páginas.
Não queremos que ninguém se aborreça.

O espectáculo é para famílias.
Para todos grande e pequenos, a partir dos 5 anos.
Mais informações aqui.

JÁ AGORA:
Não percam também o espectáculo "Hotel Lutécia", com histórias passadas no Hotel que há 41 anos partilha o edifício com o Teatro Maria Matos.
Sete escritores escreveram as histórias que vão estar a acontecer nos quartos e varandas do hotel; os espectadores assistem cá fora, numa bancada montada em frente à fachada do edifício e ouvem os diálogos através de auscultadores.

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Algumas palavras do novo Nobel (da Literatura)

“Creio que o romance foi sempre um testemunho rebelde, de insubmissão. Em todas as épocas, os romances flagraram nossas carências, tudo aquilo que a realidade não nos pode dar e que de alguma maneira desejamos. Começamos a inventar porque o mundo não nos parece suficiente. O romance se situa justamente nesta compensação que o ser humano busca quando entende que a realidade não o satisfaz completamente. Por esse motivo, o romance causou sempre desconfiança nos governos, nas instituições que aspiram controlar a vida. As religiões e os regimes autoritários nunca foram simpáticos ao romance. E penso que têm razão: o romance é mesmo um gênero perigoso, porque provoca a imaginação, os desejos, e nos faz sentir que a vida não é o bastante, que ela não consegue aplacar todos os nossos apetites e sonhos. O romance tem a ver com esse espírito rebelde. A invenção de outro mundo, de outra realidade, onde podemos nos refugiar e viver. Escapar através da fantasia. Acredito que essa é a origem de toda ficção.”

A Topipittori chegou à blogosfera

Nostri amichi dei Topipittori hanno un nuovo blogue.

Bem-vindos e bons posts!

Actualização (seguindo a sugestão do Paolo que se apressou a corrigir o italiano macarrónico deste post): I nostri amici Topipittori hanno un nuovo blog.

Se balader (c'est bon)

Com elegância japonesa, Miss Yara Kono apresenta a mais recente aparição em língua francesa de um dos livros da casa.
Passou de "Andar Por Aí" a "Se Balader" e sempre que vejo o título lembro-me, vá lá saber-se porquê, daquela canção francesa dos anos 60 "Tous les garçons et les filles"...
A tradução é de Alexandra Sabato, com a colaboração de Paola Leoni Notari.
A edição tem assinatura da Notari.







Entretanto, a Paola Notari fez uma sessão fotográfica inspirada nesta que aqui mostrámos e enviou-nos duas fotografias suas com o original entre mãos. Merci chére Paola!



Soubemos agora mesmo...

São três boas notícias de uma só assentada:
Os livros "Cá Em casa Somos" (Madalena Matoso) e "As Duas Estradas" (Bernardo Carvalho) foram seleccionados para a II Bienal Iberoamericana de Design, mais conhecida por BID que se realiza entre 22 e 26 de Novembro em Madrid.

Soubemos também (agora mesmo) que o livro "Um Dia na Praia" é um dos pré-seleccionados para o Prémio Baobab para álbuns ilustrados do Salão de Montreuil, um prémio criado pelo journal Le Monde, a Associação de Livrarias Especializadas em Livros para a Infância e o Sindicato das Livrarias Francesas. Em anos anteriores este prémio distinguiu os livros de Kittty Crowther, Benoît Jacques e Olivier Douzou.

Aqui mais informação sobre este prémio.




quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Bate-volta





As idas ao Porto sempre deixam um gostinho de quero mais e esta não foi excepção, ainda mais por não ter sido planeada. Entre conhecer o Rui e a sua galeria bem bacana (para quem gosta de ilustração é paragem obrigatória), chuva, bate-perna, comer bem, tempestade e concerto na Casa da Música, o bate-volta passou num instante.

Jack Teagle na Galeria Dama Aflita.

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Aqui há gato

Ao princípio não ligámos. Porque somos relativamente novos no bairro e não habitamos a casa há tempo suficiente para lhe conhecer os ruídos. Primeiro era só o vento nas telhas (mesmo em dias em que não soprava uma brisa), depois deviam ser os vizinhos do lado (miúdos a fazer das suas entre dois episódios do Canal Panda), houve um dia em que chegámos a falar em fantasmas (morou aqui gente antes de nós e nunca saberemos se acharam graça à ocupação que fizemos da sala e dos quartos). Mas, a partir de certa altura, começámos a estranhar a sério as pancadinhas ao de leve no telhado, sorrateiras e ritmadas, que paravam mal assomávamos à janela.

Tirámos à sorte (porque não houve voluntários) e lá fui eu, de máquina na mão, fotografar o fenómeno em flagrante delito e trazer notícias aos cobardolas do 1.º andar.

Andava um gato no telhado, este que aqui vêem, e que reconhecemos imediatamente.



É o que dá deixar a porta do armazém tantas vezes entreaberta...
O bicho sai para passear e só volta uma meia hora antes do Sr dos CTT's chegar, mesmo a tempo de entrar no Livro dos Quintais e seguir encaixotado para as livrarias.
No dia seguinte, regressam os passos lá em cima (pois bom gato, a casa torna).

PS: A imagem do Gatuno camuflado que aqui vêem foi criada pelo Bernardo para a primeira guarda do livro. Apesar de não ter sido a escolhida, não perde para o seu vulto em elegância e classe.

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Livros do Futuro





Grammar Can be Fun é um livro de Munro Leaf de 1934. Quando vi a data de edição fiquei pasmada. É certo que agora podemos ler livros electrónicos mas, ao ver este livro, fico com a sensação que, às vezes, parece que estamos a andar para trás.
É estranho que um livro feito há 76 anos nos pareça mais futurista que livros feitos nos nossos dias (especialmente na área das gramáticas e companhia).

Munro Leaf escrevia e ilustrava a maior parte dos livros que fazia. Escreveu "The Story of Ferdinand" que contava as aventuras de um touro que preferia cheirar flores a participar em touradas. Pelos vistos, Ferdinand gerou bastante controvérsia por se considerar que o livro defendia valores pacifistas. Foi proibido na Espanha e queimado como "propaganda" na Alemanha. 

Vi este livro no Curious Pages (que tem mais maravilhas para ver como, por exemplo, este Puff dos anos 60).